Nosso objetivo é compatilhar ideias que fomentem aprendizagem na área da Matemática com foco no Pedagógico. Sejam bem vindos ao nosso blog.
Equipe do (RE)Significando.

domingo, 4 de julho de 2010

Educação Emancipatória - Educar para a Autonomia

A possibilidade de um ensino crítico, criativo e comprometido com a mudança social vem crescendo numa visão nova. Porém, ainda a criatividade esbarra e acaba sendo vencida pela cognição, tornando deficitário o desenvolvimento total da pessoa.

Apresenta-se então um grande desafio, o de integrar tecnologia e criatividade, dois fatores que determinam em nosso tempo o desenvolvimento adequado da educação.

Além disso, há que se quebrar tabus que não estão totalmente resolvidos e dizem respeito ao relacionamento de poder entre mestre e aluno. O ensino, de certa forma está muito ligado ao conceito de autoridade. Nas experiências anteriores, o centro de atividade era o professor. Com a proposta do ensino novo em deslocar o centro de interesse para o aluno, brotou de todos os lados um profundo questionamento sobre o princípio de autoridade.

Sobre isso, Freire (1967, p.67) afirma que o diálogo não pode verificar-se na relação de dominação. A relação que se estabelece entre um professor que sabe que o estudante não sabe e um aluno que sabe que o professor sabe é uma relação de dominação que fixa hierarquicamente essa relação. Isso pode se resumir em: “Como posso dialogar, se alieno a ignorância, isto é, se a vejo sempre no outro, nunca em mim?”

O ambiente é propício para a observação das individualidades. Por isso, a questão da autoridade, por sua complexidade, merece de todos uma reflexão mais demorada, quando concluímos que na escola vários aspectos concorrem para essa relação de autoridade e poder.

Estão incluídos nesse contexto e se relacionam entre si política educação, trabalho, família. No centro estão as figuras do professor e do aluno. O professor com a função ambígua de reproduzir conhecimentos sobre o sistema e ao mesmo tempo questioná-lo.

Ainda sobre as relações de poder na educação, somos todos influenciados pela ideologia dominante, ou seja, o progresso tecnológico que caminha de mãos dadas com a ideologia de mercado, em nome dos quais há a exploração, alienação e domesticação de milhões de homens e mulheres que são mantidos, através de uma cadeia de processos, pelo efeito dominó, afastados dos meios de educação, trabalho, cultura e lazer.

A pratica pedagógica no ambiente escolar tem força em seu discurso. Ele pode esconder ou escancarar realidades, menosprezar ou prestigiar aqueles a quem se dirige confundir ou esclarecer dúvidas. Enfim, ele tem o poder de anunciar a educação da adaptação ou a educação da transformação.

Uma educação emancipatória, para a autonomia requer uma formação cada vez mais significativa e consciente, durante toda vida dos indivíduos. Reafirma-se aqui a importância da consistência do trabalho educativo numa perspectiva de democracia, conjunto e compromisso.

Nesse contexto o ensino, da Matemática em particular, precisa estar mais associado à compreensão do significado, do que na aplicação de regras. É importante, se buscamos a autonomia dos alunos, que esses entendam e construam o significado dos conceitos matemáticos, que manifestem procedimentos e formas próprias de raciocínio, compreendendo a matemática como uma maneira especifica de interpretar a realidade, uma linguagem que precisa ser dominada e usada significativamente.


O modo de ensino é dialógico e prático, requer professores reflexivos aos valores do intelecto e instigadores da capacidade crítica dos jovens, homens e mulheres livres, com uma dedicação especial. O professor deve estimular o aluno a explorar conjuntamente as diversas possibilidades na experiência cotidiana; O material didático precisa estar organizado para encorajar a reflexão. O conhecimento deve ser produzido continuamente por meio de ações reflexivas. O aluno precisa ser participante no processo de criar, planejar, executar e avaliar o conhecimento de forma investigativa. A avaliação deve ter função recursiva para a reflexão crítica, essencial para a transformação contínua da experiência, não baseada em notas, mas em metas, com um papel construtivo. É mais uma etapa do diálogo da integração que desenvolve saberes intelectuais e sociais.

O princípio fundamental dessa ação transformadora é a consideração do indivíduo em sua totalidade, possibilitando-lhe a liberdade de desenvolver sua própria personalidade tanto no âmbito intelectual como no emocional. Assim o currículo, a Matemática, professores e alunos se mantêm abertos ao mundo ao seu redor.

Contudo, uma aprendizagem emancipatória mais significativa e consistente, para a autonomia, precisa muito mais que atitudes isoladas e ações esporádicas. É preciso levar-se em conta o âmbito em que se desenvolvem as ações educativas, os envolvidos nesse processo, a coerência dos procedimentos que se adotam; o que se tem, o que se pode fazer, clareza e pesquisa sobre o cerne de toda problemática envolta na educação, para ações mais fundamentadas, maiores adesões conscientes na luta por uma educação realmente para todos.




REFERÊNCIAS

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário